lunes. 15.07.2024

Cientistas da Escola de Ciências da Universidade do Minho (ECUM) estão a usar, em laboratório, microrganismos da superfície da uva para combater fungos da própria videira, com vista ao controlo de doenças, como a podridão cinzenta. A inovação visa a exploração de compostos que as leveduras produzem para o desenho de formulações antimicrobianas, permitindo reduzir o uso de pesticidas ou fungicidas convencionais que comprometem a sustentabilidade do setor.

Ilustração

O segredo está na microflora (bactérias, leveduras e fungos) que habita a superfície do bago da uva. Estes microrganismos têm um papel fundamental no processo de fabrico do vinho (fermentação) e a sua diversidade e abundância variam com a fase do amadurecimento, a casta, o clima e as práticas vitícolas, entre outros fatores. “Mostrámos que algumas espécies de levedura que crescem na superfície do bago inibem o crescimento de fungos filamentosos que causam doenças”, explica o coordenador do projeto, Hernâni Gerós. “Isto abre perspetivas excelentes para o desenho de estratégias biológicas de controlo de doenças da vinha, minimizando-se o uso de fungicidas nocivos para o ambiente”, nota o professor do Departamento de Biologia da ECUM e investigador do Centro de Biologia Molecular e Ambiental (CBMA). Os resultados foram publicados na revista científica OENO One - Vine and Wine.

O trabalho está a ser desenvolvido em paralelo com o projeto “GrapeMicrobiota”. Liderado por Hernâni Gerós e Viviana Martins, envolve até 2024 a ECUM (líder), o Cluster da Vinha e do Vinho (ADVID) e as universidades de Saragoça (Espanha) e François-Rabelais de Tours (França), sendo cofinanciado com 250 mil euros da Fundação para a Ciência e Tecnologia. O “GrapeMicrobiota” explora a caracterização, seleção e valorização de leveduras autóctones de três castas do Douro: Touriga nacional, Sousão e Viosinho.

Além do seu potencial de biocontrolo de doenças causadas por fungos, estas estirpes identificadas no bago de uva estão a ser utilizadas para produção de vinhos regionais com elevada tipicidade, em colaboração com a empresa Sogevinus, em alternativa às leveduras industriais. “Com a globalização dos métodos de cultivo da videira e de fabrico do vinho, são produzidos hoje vinhos de elevada qualidade em qualquer lado com castas reconhecidas mundialmente, mas produzir vinhos com um perfil característico da região constitui um grande desafio, daí a aposta em castas regionais. Estes vinhos com tipicidade, que refletem as características da região, do povo, dos métodos de cultura ancestrais são cada vez mais apreciados pelos consumidores”, evidencia Hernâni Gerós.

Os estudos desenvolvidos pela sua equipa na região dos Vinhos Verdes, com as castas de Loureiro e Vinhão, permitiram também isolar 17 leveduras autóctones. Mostraram que a microflora da superfície da uva depende da casta e da região, e é influenciada ainda pela quantidade de pesticidas ou fungicidas aplicados na vinha. Esses resultados foram publicados igualmente na OENO One - Vine and Wine. “A diversidade da comunidade microbiana da videira pode contribuir fortemente para a tipicidade dos vinhos, uma vez que os microrganismos que vivem na superfície do bago determinam o progresso do processo fermentativo”, reforça Viviana Martins.

UMinho investiga tratamento de doenças da videira com microrganismos da própria uva
Comentarios