lunes. 15.04.2024

Hidrogénio verde foi pela primeira vez injetado na rede de gás natural portuguesa, numa cerimónia presidida pelo Primeiro-Ministro António Costa, no Seixal.

No discurso que encerrou a inauguração, o Primeiro-Ministro afirmou a necessidade de Portugal  prosseguir uma estratégia clara e persistente de aposta no desenvolvimento do hidrogénio verde, que pode dar liberdade energética ao país e coloca-lo como exportador de gases renováveis. 

«Se queremos ter um futuro mais sustentável do ponto de vista ambiental, mais próspero do ponto de vista económico e mais livre do ponto de vista político, então temos mesmo de prosseguir essa aposta nas energias renováveis», sublinhou.

António Costa disse também que «é importante que nós sonhemos e façamos mesmo a obra. Pode não ser num ano ou em dois. Mas temos de ter uma estratégia clara e a persistência para a prosseguir, porque o racional é muito claro: temos uma das melhores estruturas, uma das mais modernas infraestruturas e uma das melhores coberturas na infraestrutura de distribuição na rede de gás natural», disse. 

Menos dependência

Referindo-se ao investimento na produção de hidrogénio verde, apontou a ameaça que resultou da agressão militar russa à Ucrânia, afirmando que «há uma vantagem que é evidente para todos desde o dia 24 de fevereiro de 2022: ninguém pode estar totalmente dependente de um fornecedor ou de fornecedores externos para a energia que se necessita. Autonomia energética significa liberdade».

Por isto, «quando Portugal investe nas energias renováveis, na sua autonomia energética, está também a reforçar a sua própria liberdade». 

O Primeiro-Ministro lembrou que um dos maiores pesos na despesa nacional ao nível da balança de transações resulta da importação de energia, pelo que «temos aqui uma oportunidade de reduzir as importações, de substituí-las e, no futuro, de exportar aquilo que nós próprios podemos produzir. Cada 5% de hidrogénio que é injetado na rede é menos 5% de gás natural que importamos.

Exportar

O Ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, afirmou a sua convicção de que em 2026 «Portugal irá exportar pela primeira vez produtos derivados do hidrogénio». «Até ao final deste mandato, havemos de exportar alguma coisa para mostrar que realmente é por aqui que reside uma grande oportunidade em termos de futuro para o País». 

Duarte Cordeiro disse também que «se o preço da energia não é, neste momento, o primeiro tópico da conversa atual, então é porque o que fomos capazes de produzir em termos de energias renováveis, assim como a proteção que conseguimos conferir aos consumidores e à indústria, permitiram hoje demonstrar que o País tem a este nível resultados para apresentar».

O hidrogénio foi injetado pela empresa Floene, de capitais alemão e japonês, que tem nove operadoras regionais de distribuição de gás em Portugal.

Primeira injeção de hidrogénio verde na rede de gás natural lusa
Comentarios