viernes. 01.03.2024

Quase 50 mil novos estudantes têm entrada garantida no Ensino Superior no próximo ano letivo. Os resultados da primeira fase do concurso nacional de acesso já estão disponíveis para consulta no site da Direção-Geral do Ensino Superior e revelam várias boas notícias. A maioria dos estudantes entrou na sua primeira opção, há um recorde histórico de entradas em cursos de Medicina e um grande aumento dos alunos colocados em cursos de Educação Básica. Na Ação Social, aumentou o número de beneficiários do escalão A colocados em cursos de excelência. As matrículas destes alunos realizam-se já nos dias 28 a 30 de agosto.

Em concreto, a 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso para o ano letivo 2023-2024 coloca 49.438 novos estudantes no ensino superior público: 56% conseguem vaga na primeira opção escolhida, 87% numa das três primeiras opções.

A taxa de colocação nesta 1.ª fase é de 84%, demonstrando um crescente ajustamento entre a procura dos estudantes e a oferta das instituições - em 2021, a taxa de colocação era ainda de 77%. Restam agora apenas 5512 lugares para a 2.ª fase do concurso, o que representa o menor número de vagas sobrantes em mais de duas décadas (desde 1999).

MAI CANDIDATOS A MÉDICOS E A PROFESSORES

Em Medicina são colocados 1595 estudantes só nesta fase, o que representa o maior número de sempre. São, para já, mais 51 colocados face ao ano passado, em resultado do acréscimo de vagas sobrantes dos concursos especiais de ingresso em medicina para licenciados. Adicionalmente, já haviam ingressado 247 estudantes ao abrigo dos concursos especiais de ingresso em Medicina para licenciados e ainda serão colocados os candidatos dos regimes especiais de acesso ao Ensino Superior (ex: praticantes desportivos de alto rendimento e estudantes de países africanos de língua oficial portuguesa e de Timor Leste), cujos resultados são conhecidos a 14 de setembro;

Já o número de alunos colocados em licenciaturas em Educação Básica aumenta 21% face ao ano anterior, preenchendo 97% das vagas e consolidando uma tendência que já se sentia em 2022. Contas feitas, nos últimos dois anos as colocações nestas licenciaturas tiveram um acréscimo notável de 45%.

MAIS AÇÃO SOCIAL, MAIS CEDO 

Nesta primeira fase, foram colocados 2810 estudantes beneficiários de escalão A de ação social escolar, dos quais 1.013 através do novo contingente prioritário, assegurando um maior acesso destes alunos aos cursos mais competitivos - o número de estudantes com escalão A colocados em cursos de excelência aumentou 29% face ao ano anterior.

As decisões sobre bolsas de estudo foram antecipadas, este ano, para a fase de colocação. Pela primeira vez, a atribuição de bolsa requerida por estudantes beneficiários de abono de família até ao 3.º escalão será notificada no mesmo dia da divulgação dos resultados da colocação. Recorde-se que o Governo aprovou para este ano letivo um reforço dos apoios sociais atribuídos aos estudantes do ensino superior, tendo em vista alargar o universo de beneficiários e o apoio ao alojamento.

MAIS INTERIOR E MAIS ÁREAS CIENTÍFICAS

Os colocados em instituições localizadas em regiões com menor procura e menor pressão demográfica também aumentam e há agora 7623 estudantes nos cursos apoiados pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), reforçando a formação superior inicial e o número de graduados em áreas STEAM (Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática). De igual modos, diversas instituições do interior aumentam significativamente o número de colocados face ao ano anterior, casos do IP Beja, IP Castelo Branco, IP Guarda, IP Santarém, IP Viana do Castelo, UÉvora, UTAD e U.Madeira.

 Nas áreas de competências digitais foram colocados 7261 estudantes.

 Também pela primeira vez, o calendário de colocações do concurso nacional de acesso foi antecipado para o final de agosto, garantindo um período mínimo de 15 dias de intervalo entre a colocação da 1.ª fase e o início da atividade letiva e as colocações de todos os estudantes durante o mês de setembro. Deste modo, garante-se o início de atividade letiva praticamente em simultâneo para todos os novos estudantes, evitando a perda de cerca de três semanas de aulas para estudantes colocados na 2. ª fase e cerca de seis semanas de aulas para estudantes colocados na 3.ª fase.

 Resultados estão disponíveis em http://www.dges.gov.pt.

50 mil novos estudantes colocados no Ensino Superior
Comentarios