viernes. 14.06.2024

Acácio de Carvalho e os ‘novos artistas’ Bruno Silva e Sebastião Castelo Lopes são os protagonistas do próximo ciclo expositivo da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, o primeiro de 2022 e de um novo Conselho Diretivo. A inauguração das exposições está agendada para o próximo dia 5 de fevereiro (sábado), às 16h00, no Museu Bienal de Cerveira.

Dispensando apresentações, Acácio de Carvalho é já um nome incontornável das Bienais Internacionais de Arte de Cerveira (BIAC). Em 2001, foi Prémio Aquisição Millennium BCP na XI BIAC, tendo vindo a colaborar desde então com a Fundação Bienal de Arte de Cerveira (FBAC) na criação de projetos artísticos de grande escala e em espaço público. São exemplo disso, em 2018, a obra “Assalto ao Castelo” e mais recentemente, em 2021, a instalação “Ilhas de Plástico”, desenvolvida no âmbito do projeto “LOW PLAST– a arte de reduzir o plástico” promovido pelo Aquamuseu do Rio Minho – Município de Vila Nova de Cerveira.

Com curadoria de Helena Mendes Pereira, esta que é a primeira exposição individual de Acácio de Carvalho no Museu Bienal de Cerveira, pretende ser tão diversa quanto a sua carreira artística, que conta já com 50 anos. No total, serão apresentados cerca de uma centena de trabalhos que contemplam os meios mais tradicionais como a pintura ou a gravura, tocando os recursos ao têxtil e novos formatos e media como a instalação, o vídeo ou a impressão digital.

“«Trompe-L'Oeil – Uma Ilusão Teatral» recupera o título do projeto de doutoramento de Acácio de Carvalho, considerando que esta exposição se apresenta como a síntese (possível) da extensa produção de um autor que atravessa os limites do tempo com a sua «inevitável (in)sustentabilidade»”, explica a curadora da exposição.

Acácio de Carvalho, já um nome incontornável das Bienais Internacionais de Arte de...